Racismo Na Visão Espírita

A Doutrina Espírita tem uma valiosa contribuição em favor da extinção dos preconceitos raciais, revelando que somos todos Espíritos em evolução, submetidos à experiência reencarnatória. E que podemos ressurgir na Terra como negros, brancos ou amarelos, em qualquer continente ou região, de conformidade com nossos compromissos e necessidades.
Não há porque cultivar discriminações, não só porque temos todos a mesma origem, que se perde na noite dos tempos, mas sobretudo porque a Lei Divina determinará implacavelmente que reencarnemos entre aqueles que discriminamos. Há inúmeros relatos em obras mediúnicas, dando-nos notícias de fazendeiros que judiavam dos negros. Retornaram como escravos africanos. Anti-semitas voltam como judeus para sentir na própria pele o que é esse preconceito. Da mesma forma, judeus convictos de que pertencem a uma raça superior, escolhidos por Deus, ressurgem no seio dos povos que julgam inferiores.
Aprendemos com Jesus que o amor ao próximo eqüivale a amar a Deus. Isso significa que é absolutamente impossível reverenciar o Criador discriminando suas criaturas. (Richard Simonetti)

Saibamos que Deus não nos distingue pelos corpos.E que todos os homens são iguais na balança Divina e só as virtudes nos distinguem aos olhos de Deus.
Todos os espíritos são de uma mesma essência, e todos os corpos são modelados com igual massa. E nós todos que sofremos injustiças dos homens, sejamos tolerantes para com as faltas de nossos irmãos, lhes dizendo que, eles mesmos, não estão isentos de censura: ISSO É CARIDADE E HUMILDADE.Se nossa conduta é pura, Deus não pode nos compensar? Suportar com coragem as humilhações dos homens é ser humilde e reconhecer que só Deus é grande e poderoso. (O Evangelho Segundo o Espiritismo)

Grupo de Estudo Allan Kardec

Amor, Bálsamo Divino

Unamo-nos em paz. Que todos os nossos assuntos tendentes a descerrar brechas ao desânimo ou ao conflito, à tristeza ou à dificuldade sejam desterrados, para imperar tão somente sobre nós a otimismo e a confiança mútua. O amor é o bálsamo divino nas peças da equipe. Sigamos à frente, guardando por tesouro divino o amor que já conseguimos levantar e sustentar, uns pelos outros.

Somos uma família só – a Humanidade. E os companheiros da família mais necessitados de nós são aqueles irmãos sofredores e menos preparados para as lutas da vida, à maneira de parentes enfermos a dependerem dos mais robustos e habilitados à sustentação da segurança familiar.

Batuíra

O Campo de Força das Idéias

Participo de debates periódicos, no Centro Espírita Léon Denis, com o objetivo de organizar o Encontro Espírita de Medicina Espiritual, realizado uma vez por ano. Em uma dessas reuniões, consultamos o coordenador espiritual do evento, Ignácio Bittencourt, que confirmou, através do médium (AltivoPamphiro), a existência de camadas perispirituais, que ele denominou de “campos de forças”.

Pergunta ? O fluido cósmico universal é o estado mais puro da matéria. Os espíritos já nos revelaram também que o perispírito de uma entidade superior é formado dessa matéria sutilíssima. Sabemos ainda que existem corpos intermediários entre o corpo físico e a alma. O que mais nos pode revelar a esse respeito?

Ignácio ? Saibam que existem campos de força envolvendo o perispírito.

 Seriam, por acaso, os campos eletromagnéticos, que a Ciência começa a desvendar?

A Ciência está chegando perto. Vou exemplificar: no ambiente de trabalho, a criatura humana tem um campo de força apropriado para aquele tipo de atividade. O campo é diferente, na mesma pessoa, quando está em casa. Quando sai de casa e vai ao centro espírita, envolve-se em outro campo de força, apropriado à nova circunstância. As idéias mais fortes e persistentes sensibilizam o perispírito e formam campos de força. Se as idéias mudam, se o ambiente muda, muda também o campo de força.

 Quem cria este campo?

O espírito é um ser que pensa e é natural que os pensamentos o envolvam em camadas.

 É o que André Luiz chama de psicosfera?

É uma outra palavra para definir o mesmo fenômeno.

 Se entendemos bem, o campo de força adapta-se aos ambientes e às circunstâncias?

Exatamente.

Quem é o foco?  O espírito. Quando um pesquisador espírita reflete sobre a dualidade espírito-perispírito, normalmente imagina uma massa compacta, indissociável. Não é tão simples assim. O perispírito é constituído de diversas camadas.

A psicosfera ou campo de força resulta dos pensamentos que emitimos, os quais se agrupam por afinidade e ocupam posições distintas e específicas. Ao desencarnarmos, mantemos esses campos, que continuam expressando os nossos ideais mais íntimos, de tal forma que representam nossa identidade espiritual.

Quando encarnados, somos reconhecidos por espírito e por alguns médiuns, se têm poder de penetração nesses campos de força. Dessa forma, percebem nossas características, como se estivessem diante de um livro aberto.

Tal percepção pode ser menor ou maior, de acordo com a necessidade e utilidade. A leitura também não é instantânea, nem para o espírito desencarnado. A privacidade é respeitada, o que nos permite dizer que o médium ou o espírito desencarnado vêem somente o que pode ser visto.

Como entender essas camadas de pensamentos, associando-as com as camadas perispirituais?

Para evitar confusão, sintetizamos os conceitos:

As camadas perispirituais são as partes que compõem o nosso perispírito. É o fluido caminhando desde o fluido cósmico universal até a matéria mais condensada, com as suas várias gradações, estabelecendo o contato entre o espírito e o corpo físico.

Os campos de força dos nossos pensamentos não fazem parte do perispírito. São como programas de computador, com seus diversos arquivos gravados no disco rígido, com endereços específicos, que nos permitem acessá-los quando necessário. Os pensamentos, as idéias, tal qual os programas e arquivos colocados na memória RAM do computador, são também descartáveis. Isto é válido tanto para o espírito encarnado quanto para o desencarnado.

Na regressão de memória, o agente indutor acessa tais arquivos, como quem seleciona uma faixa musical em um CD. As lembranças vêm sem se misturarem umas com as outras, à medida que conduz o paciente ao endereço correto (um determinado momento de sua vida).
Paulo Nagae