A Ansiedade

São muitas as respostas que a Doutrina.Espírita nos dá sobre este sentimento que pode ser traduzido por perturbação, angústia, receio, permitindo até, se não cuidado, a instalação de um processo obsessivo.

O conhecimento da Doutrina Espírita, com um estudo frequente, possibilita-nos um trabalho paciente e perseverante para enfrentarmos esses estados de aflição que se fazem na nossa vida, relacionados com as nossas atitudes passadas e presentes.

Podemos afirmar, dentro do ensinamento cristão, que a ansiedade caminha conosco e vai libertando-nos, à medida que entendemos a proposta do Cristo, enxergando nela o convite às realizações proporcionadas pelo trabalho, deixando de esperar pelos milagres que em momento algum Ele prometeu. Trabalhar-se.
Tudo tem início na incerteza trazida pelo Espírito no planejamento da sua reencarnação. Ele sabe que é preciso enfrentá-la, mas não sabe se suportará bem as suas provas.

Percebemos também, através do ensinamento espírita, que é grande a influência dos Espíritos em nossos pensamentos e que os efeitos das comunicações que, sem saber podemos manter durante o sono, pode fazer-nos experimentar sentimentos de angústia ou de satisfação. São encontros com Espíritos comprometidos conosco para o mal ou para o bem.

Entendemos então que as diversas encarnações que já tivemos, se encadeiam, dando sequência umas às outras, contando a nossa história, baseada nos nossos procedimentos.
Por isso, todos os nossos sofrimentos são criações nossas. O orgulho, a ambição frustrada, a ansiedade da avareza, a inveja, o ciúme, todas as paixões, enfim, constituem as torturas da alma.

Qualquer que seja a nossa aflição, é preciso encontrar a causa, a matriz. Mas, se fizermos uma auto análise, verificaremos que estamos sempre ansiosos para resolvermos tudo bem rápido e como não conseguimos, ficamos revoltados, decepcionados e pessimistas diante da vida.

Está faltando reflexão no ensinamento do Cristo. O Evangelho traz uma anotação de Mateus, cap.19:26, com a seguinte exortação de Jesus: “A Deus, tudo é possível,” fazendo-nos entender que seja qual for a perturbação reinante, é necessário usar da calma, que nos liga ao Pai, pra buscar a melhor solução.
A calma é o resultado da fé, da segurança que propicia o equilíbrio. A fé, é a soma de conhecimentos assimilados. Se diante da vida, experimentamos insegurança e insatisfação, sustentando o inconformismo, a incerteza se fará em torno das ocorrências do cotidiano.

Libertar-se das aflições ou salvar a sua alma é tarefa que a encarnação apresenta. A Terra é a nossa casa de lutas redentoras, onde a Providência Divina movimenta todos os recursos indispensáveis ao nosso progresso material.

O Evangelho de Jesus é a dádiva suprema do céu para ajudar o Espírito livrar-se da situação aflitiva em que se encontra, para só então marchar para o amor e a sabedoria universal.

Jesus é o Modelo Supremo. Buscar sempre Nele a sustentação para nossa luta, procurando não permitir que a ansiedade predomine na nossa vida, combatendo-a constantemente com as armas do amor, impedindo que ela atrapalhe a nossa evolução.
Fonte: Instituto de Difusão Espírita de Juiz de Fora