Um mundo melhor…

 

É usual ouvirem-se comentários do gênero “isto está cada vez pior”, “isto não tem solução”, “o mundo está cada vez pior”…, e os noticiários, caprichosamente escolhidos para que apenas apareçam as situações mais lamentáveis, acabam por cimentar esta ideia.

Aparentemente o mundo está pior, tendo em conta tanta violência, tanto desnorte do ser humano, tanta impunidade perante o erro deliberado, tanta indiferença perante o sofrimento alheio.

O homem refugia-se, alucinado, no seu egoísmo, tentando nada ver além do seu ego. Digamos que é um mecanismo de fuga… para dentro, no pior sentido.

Perdido o Norte de Deus, desvalorizados os valores ético morais, o Deus dinheiro levou a humanidade, aliada ao Deus egoísmo, a um beco sem saída.

Vendo estes acontecimentos à luz da Doutrina Espírita (ou Espiritismo), conseguimos verificar que os momentos atuais assemelham-se ao chamado “fim dos tempos”, a que o Evangelho se refere. No entanto, este “fim dos tempos” não significa que o planeta Terra vá desaparecer, mas será, sim, o fim dos tempos de misérias morais e materiais que agora vemos campearem na Terra.

A “separação do trigo e do joio” e o “juízo final” são, na óptica espírita, a seleção dos Espíritos que voltarão a reencarnar na Terra, Espíritos comprometidos com o bem, com a paz, com a fraternidade. Os demais, os violentos, serão transferidos, por uma questão de sintonia, para outros planetas mais atrasados, em consonância com o seu íntimo, para que ali expiem os erros de agora, em busca de um devir melhor, ao longo dos milênios.

Nunca na Terra se viu tanto Bem como nos dias que correm, o fim das fronteiras, as organizações não governamentais que buscam auxiliar o próximo, as organizações ecologistas, as organizações de defesa dos animais, do meio ambiente, dos explorados, das minorias, da igualdade de oportunidade entre gêneros, entre tantas coisas boas que se passam no mundo, e que apenas não aparecem nas televisões.

Somente o Amor, o perdão, a compreensão podem auxiliar o Homem a libertar-se do egoísmo, do ódio, da intolerância

A Física quântica deu a machadada final no Materialismo, comprovando o que o Espiritismo apresentou ao mundo em 1858: tudo é energia, em diversos estados, mais ou menos condensados.

Cientistas de todo o mundo comprovam a reencarnação e a comunicabilidade dos Espíritos, indo de encontro aos ensinamentos do Espiritismo.

O próximo passo para a Humanidade, inevitável, será incorporar esses conceitos e compreender as consequências morais desses princípios básicos da Vida.

Quando o Homem entender que é um Espírito imortal, temporariamente num corpo físico, que tem uma multiplicidade de existências físicas com o desiderato de atingir um dia o estado de Espírito puro, que tudo o que fizer hoje na sua vida repercutir-se-á em si mesmo, nesta e noutras existências, colhendo (bem ou mal) aquilo que for semeando no bojo do seu psiquismo, então, a Humanidade transformar-se-á mais rapidamente.

Será a época da regeneração do Espírito, época essa que já está em curso com a reencarnação de Espíritos mais evoluídos, comprometidos com a Paz.

Os dias de hoje são, pois, de esperança, de alegria pelo devir, já ali a seguir a curva da evolução inevitável, competindo-nos, mais do que lamentar a situação atual, fazer a parte que nos compete: fazer ao próximo aquilo que gostaríamos que nos fizessem, se estivéssemos no seu lugar.

A Lei de Causalidade (Causa e Efeito) é inexorável e, relembrando as palavras sábias do grande psicoterapeuta da Humanidade, Jesus de Nazaré, “a cada um de acordo com as suas obras”.

Deixemos, pois, um rastro de luz, de paz, de alegria, de esperança, por onde passarmos ao longo do nosso dia, e estaremos a colaborar com os Espíritos superiores na transformação moral do Planeta, objetivando a instalação de sociedades pacíficas, fraternas, evoluídas, na Terra, para onde voltaremos se tivermos mérito para isso.

Apesar de tudo, o mundo está muito… melhor!!!

Bibliografia:

Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos.

Kardec, Allan – O Evangelho segundo o Espiritismo.

José Lucas