O Evangelho e o Celular

 Já imaginou o que aconteceria se tratássemos o Evangelho do jeito que tratamos nosso celular?

E se sempre carregássemos o nosso Evangelho no bolso ou na bolsa?

E se déssemos uma olhada nele várias vezes ao dia?

E se voltássemos para apanhá-lo quando o esquecêssemos em casa ou no trabalho?

E se o usássemos para enviar mensagens aos nossos amigos?

E se o tratássemos como se não pudéssemos viver sem ele?

E se o déssemos de presente para as crianças?

E se o usássemos quando viajamos?

E se lançássemos mão dele em caso de emergência?

Ao contrário do celular, o Evangelho não fica sem sinal.

Ele pega em qualquer lugar. Não é preciso se preocupar com a falta de crédito, porque Jesus já pagou a conta e os créditos não têm fim.

E o melhor de tudo: não cai a ligação e a carga da bateria é para toda vida.
——
Quando você estiver triste, ligue – no cap. V no texto que começa “Bem aventurados os que choram…”

Quando pessoas falarem de você, ligue no cap. V no trecho “Bem aventurados os que sofrem perseguição…”

Quando você estiver nervoso, ligue no cap. IX “Bem aventurados os mansos e pacíficos…”

Quando você estiver preocupado, ligue no cap.IX – item 7 “A paciência”.

Quando você estiver em perigo, ligue no cap. V – item 22 “Um homem de bem teria morrido”.

Quando Deus parecer distante, ligue no cap. XXVII – item 1 “Caracteres da perfeição”.

Quando sua fé precisar ser ativada, ligue no cap. XIX – item 1 “Poder da fé”.

Quando você estiver solitário e com medo, ligue no cap. XVI item 10 “M. Espírito Protetor”.

Quando você for áspero e crítico, ligue no cap. VII – item 11 “O orgulho e a humildade”.

Para saber o segredo da felicidade, ligue no cap. V – item 20 “A felicidade não é deste mundo”.

Quando você sentir-se triste e sozinho, ligue no cap. XXVI – item 5 “Vendilhões expulsos do templo”.

Quando você quiser paz e felicidade, ligue no cap. XX – item 5 “Obreiros do Senhor”.

Quando o mundo parecer maior que Deus ligue no cap. XIX – item 11 “Fé, mãe da esperança e da caridade.

Autoria desconhecida.

Qual o remédio para a angústia?

Existem noites em nossas vidas que são mais escuras, noites em que o vento violento e ruidoso traz a tempestade forte e barulhenta.

Os trovões e os relâmpagos fazem estremecer a madrugada como se fossem durar para sempre.

Não há como a gente ignorar os sentimentos que tomam de assalto nossos frágeis corações.

O medo e a incerteza tiram nosso sono, e passamos minutos infindáveis, imaginando o pior. Ficamos com medo de que o céu possa, de um momento para o outro, cair sobre nossas cabeças.

Mas sem qualquer aviso, o vento vai se acalmando, as gotas de chuva começam a cair com menos violência e o silêncio volta a imperar na noite.

E então adormecemos sem nos dar conta do final da tempestade, e quando acordamos, com o sol da manhã a nos beijar o rosto, nem sequer nos recordamos das angústias da noite.

Os galhos caídos na calçada, a água ainda empoçada na rua, nada, nenhum sinal é suficientemente forte para que nos lembremos do temporal que há poucas horas nos assustava tanto.

Assim ainda somos nós, criaturas humanas, presas ao momento presente.

Descrentes, a ponto de quase sucumbir diante de qualquer dificuldade, seja uma tempestade ou revés da vida, por acreditar que essa dificuldade poderia nos aniquilar ou ferir irremediavelmente.

Homens de pouca fé, eis o que somos.

Há muito tempo fomos convidados a acreditar no amor do Pai, soberanamente justo e bom, que não permite que nada que não seja necessário e útil nos aconteça.

Mesmo assim continuamos ligados à matéria, acreditando que nossa felicidade depende apenas de tesouros que as traças roem e que o tempo deteriora.

Permanecemos sofrendo por dificuldades passageiras, como a tempestade da noite, que por mais estragos que possa fazer nos telhados e nos jardins, sempre passa e tem sua indiscutível utilidade.

Somos para Deus como crianças que ainda não se deram conta da grandiosidade do mundo e das verdades da vida.

Almas aprendizes que se assustam com trovões e relâmpagos que, nas noites escuras da vida, fazem-nos lembrar de nossa pequenez e da nossa impotência diante do todo.

Se ainda choramos de medo e não temos coragem bastante para enfrentar as realidades que não nos parecem favoráveis ou agradáveis, é porque em nossa intimidade a mensagem do Cristo ainda não se fez certeza.

Nossa fé é tão insignificante que ante a menor contrariedade bradamos que Deus nos abandonou, que não há justiça.

Trata-se, porém, de uma miopia espiritual, decorrente do nosso desejo constante de ser agraciados com bênçãos que, por ora, ainda não são merecidas.

Falta-nos a coragem para acreditar que Deus não erra, que esta falha, a de errar, não é dele, mas apenas nossa, caminhantes imperfeitos nesta rota evolutiva.

Falta-nos humildade para crer que, quando fazemos a parte que nos cabe na tarefa, tudo acontece na hora correta e de forma adequada.

As dores que nos chegam e nos tocam são oportunidades de aprendizado e de mudança para novo estágio de evolução.

Assim como a chuva, que em algumas ocasiões nos pareça inconveniente e assustadora, também os problemas são indispensáveis para a purificação e renovação dos seres.

Por isso, quando tempestades pesarem fortemente sobre nossas cabeças, saibamos perceber que tudo na vida passa, assim como as chuvas, as dores, os problemas.

Tudo é fugaz e momentâneo.

Mas tudo, também, tem seu motivo e sua utilidade em nosso desenvolvimento.

Eu me lembro agora de contar uma história que li certa vez e que era mais ou menos assim:

Um monge peregrino caminhava por uma estrada quando, do meio da mata alta, surgiu um homem jovem de grande estatura e com olhos muito tristes.

Assustado com aquele aparecimento inesperado, o monge parou e perguntou se poderia fazer algo por ele.

O homem abaixou os olhos e murmurou envergonhado: “sou um criminoso,um ladrão e muito cedo perdi o afeto de meus pais e dos meus amigos. Me senti afundando na lama e tenho praticado crime após crime. Tenho medo do futuro e não sinto sossego por nenhum instante. Vejo que o senhor é um monge e te peço que me livre desse sofrimento, dessa angústia!” E dizendo isso se ajoelhou aos pés do homem santo.

O monge, que ouvira tudo em silêncio, fitou os olhos daquele homem e depois de pensar um pouco disse: “estou com muita sede. Existe alguma fonte por aqui?”

Com aquela repentina pergunta , o jovem respondeu surpreso: “sim, há um poço logo ali, porém nele não há carretilha, nem balde. Mas eu tenho aqui uma corda que posso amarrar na sua cintura e desce-lo para dentro do poço. O senhor poderá tomar água até se saciar. Quando estiver satisfeito, avise-me que eu o puxarei para cima.”

O monge sorrindo aceitou a idéia e logo em seguida encontrava-se dentro do poço.
Pouco depois, veio a voz do monge: “pode me puxar para cima!”

O homem deu um puxão na corda empregando grande força, mas nada do monge subir.
Era estranho, pois parecia que a corda estava mais pesada agora do que no início.

Depois de inúteis tentativas para fazer com que o monge subisse, o homem esticou o pescoço pela borda, observou a semi-escuridão do interior do poço para ver o que se passava lá no fundo.

Qual não foi sua surpresa ao ver o monge firmemente agarrado a uma grande pedra que havia na lateral.

Por um momento o ladrão ficou mudo de espanto, para logo em seguida gritar zangado: “hei, que é isso? O que faz o senhor aí? Pare já com essa brincadeira boba! Está escurecendo, logo será noite. Vamos, largue essa rocha para que eu possa içá-lo.”

De lá de dentro o monge pediu calma ao rapaz, explicando: “você é grande e forte, mas mesmo com toda essa força não consegue me puxar se eu ficar assim agarrado a esta pedra. É exatamente isso que está acontecendo com você. Você se considera um criminoso, um ladrão, uma pessoa que não merece o amor e o afeto de ninguém. Encontra-se firmemente agarrado a essas idéias. Desse jeito, mesmo que eu ou qualquer outra pessoa faça grande esforço para reergue-lo, não vai adiantar nada.”

Tudo depende de você. Somente você pode resolver se vai continuar agarrado ou se vai se soltar. Se quiser realmente mudar, é necessário que se desprenda dessas ideias negativas que estão mantendo no fundo do poço. Desprenda-se e liberte-se.” […]

Sérgio Avelhaneda

Minha opção é ser feliz

Quando embarcamos nessa nova viagem, vivemos um período de nove meses no oceano de paz, no calor aconchegante da proteção e amor maternal incondicional.

Não mais que de repente estamos saltando de nosso mar de conforto e encontramos a marcha do aprendizado da vida material. Cada despertar um desafio, cada dia uma lição.

E em cada alvorecer surge novo dia radiante de luz e esperança, convidando-nos a fazer escolhas. Demora um tempo para decidirmos, e, com o tempo, com o amadurecimento espiritual, entendemos que todos temos que progredir e que a decisão será sempre nossa.

Aprendemos, demora um pouco, mas aprendemos a fazer uma escolha em cada amanhecer: ser feliz ou infeliz? Mesmo com pobreza, com doença ou com morte. Jesus nasceu na estrebaria, foi perseguido aos dois anos, traído, negado e crucificado e continuou a nos amar.

Aprendemos que não podemos transferir nossa opção de felicidade para coisas, bens ou pessoas. Para ser saudável e viver com serenidade escolhemos ser felizes aceitando a vida e buscando a melhoria sempre

Viver é conhecer. Crescemos e temos que tomar decisões. Tomada de atitudes sempre pode gerar crises. E com elas aprendemos, porque são oportunidades que a vida nos oferece de crescimento.

Ao final dessa marcha construtiva, resta-nos saber se fizemos ou não o melhor. A felicidade em relação à vida moral e ética consiste em viver com a consciência tranquila e continuar a ter fé no futuro, pois que somos herdeiros da imortalidade. Acalentou Jesus a todos nós: “Não se turbe vosso coração: crede em Deus e crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14:1-2).

Ninguém morre, a existência continua de retorno à Vida Espiritual. O mesmo caminho que levou nossos entes queridos nos levará também, e na mesma estação que eles chegaram nós chegaremos.

Abramos o coração para a vida e o enchamos de luz e esperança, acreditando que vai dar certo e que, se fizermos a nossa parte, na outra parte é Deus que está no controle e vai agir através de seus mensageiros.

Todas as manhãs temos duas oportunidades, continuar dormindo com nossos sonhos, ou erguer nosso corpo para a vida e a vitória, tornando-os realidade.

Temos que acreditar que o mundo melhor começa em nós; se cumprimos nossos deveres e se queremos a paz, a façamos realizar em nosso íntimo com tudo que nela couber.

O Universo é obra de uma Inteligência Superior que tudo organizou e que estabeleceu leis universais que nos controlam a vida e o destino; fazendo nossa parte, podemos depositar n’Ele nossa gratidão e confiança para sermos felizes.

Arnaldo Divo Rodrigues de Carvalho

Como se libertar do sofrimento

A valiosa contribuição psicográfica do Apóstolo do Bem, Divaldo Franco, rendeu frutos sazonados com a produção de esclarecedores textos de natureza psicológica redigidos pela Veneranda Joanna de Ângelis.

São 16 volumes que integram a denominada Série Psicológica, iniciando-se com o tocante Jesus e a atualidade e culminando com o expressivo Psicologia da gratidão.

O primeiro consiste na apresentação de vinte situações com ocorrências do cotidiano que aturdem a civilização, envolvendo amor, tolerância, justiça, dever, alegria, coragem, decisão, responsabilidade, posses, insegurança, sofrimentos, entre outros assuntos, buscando respostas da conduta humana na terapia de Jesus.

O segundo exalta a gratidão como roteiro de segurança a ser vivenciada em todos os momentos da existência corporal, como um estado interior que resulta em alegria e paz.
Dentre esses mananciais de esclarecimento e consolo, há o segundo volume da série, cujo instigante título é O homem integral. Esta obra considera o grave momento por que passa a Humanidade, e faz um estudo de diversos fatores de perturbação psicológica, procurando oferecer terapias de fácil aplicação, fundamentadas na análise do homem à luz do Evangelho e do Espiritismo, de forma a auxiliá-lo no equilíbrio e no amadurecimento emocional, com vistas à sua renovação e aquisição de saúde psicológica, tendo sempre como ser ideal Jesus, o Homem Integral de todos os tempos, por haver desenvolvido todas as aptidões herdadas de Deus, na condição do ser mais perfeito de que se tem notícia.

O homem integral esclarece que o Espiritismo, sintetizando diversas correntes de pensamento psicológico e estudando o homem na sua condição de Espírito eterno, apresenta a proposta de um comportamento filosófico idealista, imortalista, auxiliando-o na equação dos seus problemas, sem violência e com base na reencarnação, apontando-lhe os rumos felizes que deve seguir.

É justamente nesse livro extraordinário que Joanna de Ângelis apresenta uma terapia liberativa do sofrimento. Em sua didática e sabedoria, a Mentora elenca quatro passos, constitutivos do caminho libertador, apresentados a seguir resumidamente:

1) Considerar todos os indivíduos como dignos de serem amados.
2) Identificar e estimular os traços de bondade do caráter alheio.
3) Aplicar a compaixão quando agredido.
4) O amor deve ser uma constante na existência do homem.

Vejamos como são conexas as etapas propostas por Joanna. Retornemos um pouco e leiamos os itens 1 e 4 e, depois, os itens 2 e 3.

Para se libertar do sofrimento é preciso amar. Todas as pessoas são dignas de serem amadas, apenas para nos referirmos ao ser humano em suas relações interpessoais. Para nossa felicidade, o amor deve estar presente em nossa vida. Todos somos irmãos, deveríamos constituir uma só família espiritual, pois somos filhos de um mesmo Pai, criaturas de um mesmo Criador. Enxergar o outro com respeito é sentir que o amor pleiteado a nosso favor é o amor que precisamos distribuir ao semelhante, sem preconceitos e em consonância com o entendimento das diferenças que caracterizam a manifestação das individualidades.

Vários sofrimentos são gerados por ideias preconcebidas ou por fazermos mau juízo do próximo, enxergando nele posturas inadequadas ou incomodativas, considerando que entendemos a realidade de modo distinto. A Mentora recomenda identificarmos e estimularmos os traços de bondade do caráter alheio, auxiliando-o em seu processo evolutivo. Todos, como seres divinos, trazemos latentes na intimidade do ser o deus interno, a consciência na qual está registrada a lei de Deus, a nos possibilitar a distinção entre o certo e o errado, o bem e o mal. Assim, é preciso enxergar o lado bom das pessoas, para o nosso próprio bem. Quando vemos só o que é ruim, sofremos. Tornamo-nos pessimistas, negativos, amargos… Porém, quando nos predispomos a visualizar o mundo com lentes corretivas que nos facilitam enxergar o belo, o bom e o útil, erradicamos de nossa mente o sofrimento e nos sentimos felizes.

A compaixão como saudável exercício para com aqueles que nos ofendem, magoam, ferem, prejudicam, é também terapia libertadora do sofrimento. É preciso ser compassivo quando agredido. Jesus recomendou que revidássemos o mal recebido com o bem ativo que já trazemos no coração. Em O evangelho segundo o espiritismo, em seu capítulo 17, item 10, quando trata de O homem no mundo, Allan Kardec compila a significativa recomendação: “Um sentimento de piedade deve sempre animar o coração dos que se reúnem sob as vistas do Senhor e imploram a assistência dos bons Espíritos.” Aplicar a piedade para com quem convivemos e que, direta ou indiretamente, nos atingem na sua maneira de agir e pensar, manifestando a existência de naturais diferenças de posturas e comportamentos, é atitude virtuosa dos que se candidatam à conquista do Reino dos Céus por seus méritos próprios. Somos indivíduos. Emmanuel, o guia espiritual de Chico Xavier, ensina-nos que Deus não cria duplicatas, apenas originais. Por isso, embora semelhantes, posto que irmãos, somos também diferentes em características a revelarem a personalidade que retrata nosso modo de ser em determinada encarnação ou existência física.

A melhor terapia para a libertação do sofrimento e conquista da felicidade é o exercício do amor a Deus, do amor ao próximo e do amor a nós mesmos no cotidiano de nossas vidas.

Artigo publicado na Tribuna Espírita, ano 36, n. 196, mar./abr. 2017.
Fonte: FEB, por Geraldo Campetti Sobrinho

O salário da alegria


Rosália deixou o hospital três dias após o parto, trazendo um tesouro, o filho Tiago, e uma enorme frustração: a impossibilidade de amamentá-lo. Inteligente e esclarecida, conhecia a importância do aleitamento em favor do desenvolvimento infantil. Queria o menino resistente e saudável, sustentado por nutrientes adequados, em perfeito balanceamento, como só o leite materno pode oferecer. Mais que isso, concebia o ato de amamentar como sublime exercício de doação, algo de seu próprio ser a sustentar uma vida iniciante.

Apesar de seus esforços, não conseguiu fazê-lo. Tiago tivera dificuldade para se adaptar. Logo em seguida, os seios incharam muito, as mamas ficaram inflamadas. Para não deixar o recém-nascido à míngua, deram-lhe a mamadeira.

Ainda assim, Rosália alimentava esperanças. Espírita fervorosa orou, emocionada, rogando a Jesus e aos bons Espíritos que a ajudassem. Como sempre ocorre quando o coração participa de nossos apelos, o Céu enviou alguém.
Simpática jovem a procurou. Após cumprimentá-la, apresentou-se:

— Meu nome é Tina. Sou enfermeira; soube que você está com dificuldade para amamentar. Vim ajudá-la. Há anos oriento mães a esse respeito. Podemos começar agora mesmo.
— Bem, não sei… Preciso consultar meu marido.
— Não se preocupe. Não custará dinheiro algum. O que vou lhe cobrar exigirá apenas um pouco de boa vontade de sua parte.
— Como pagarei?
— Direi depois. Primeiro o serviço.
— Tem certeza de que dará certo? No hospital, desiludiram-me…
É a lei do menor esforço. Não obstante as campanhas sobre os benefícios da amamentação, poucos se conscientizam de seus benefícios.
— Mas Tiago não pega o seio e as mamas estão doloridas.
— Cuidaremos disso. Anime-se! Garanto-lhe que conseguiremos!
— Deus a ouça!…

Vacilante a princípio, depois francamente empolgada, Rosália recebeu as instruções de Tina, que a assistiu durante três dias, mostrando-lhe como superar a inflamação e preparar as mamas. Pacientemente favoreceu a adaptação entre o recém-nascido e sua mãe no processo de aleitamento. Em breve o menino sugava com vigor o seio materno, colhendo o precioso alimento que descia fácil. Rosália exultava.

— Não imagina como estou feliz. Não sei como lhe agradecer. Na verdade, vou saber agora. Você disse que haveria um pagamento. Estou pronta. Qual é?
Meu salário, Rosália, é o da alegria. Nada se compara à satisfação de ajudar alguém. Isso me faz muito feliz!…
Fitando-a agora com expressão séria, Tina continua:
— Mas é justo que pague pelo benefício recebido. Aqui está a conta…

Rosália recebeu um papel onde estava escrito: Passar a outras gestantes a técnica da amamentação.

A enfermeira sorria.

— Está bem assim?
— Claro! Quem não se habilitaria a serviço que oferece tal recompensa! Conte comigo! Quero acumular muitos salários de alegria, para um tesouro de felicidade!…

A experiência de Rosália sugere uma Corrente da Felicidade diferente dessas que pululam por aí, envolvendo quiméricas vantagens pecuniárias.

Uma única exigência: que seus participantes se disponham a beneficiar quem estiver em situação difícil, no lar, no templo religioso, na atividade profissional, na vida social, utilizando-se de seus conhecimentos.

Uma única cobrança: que os beneficiários repassem a ajuda recebida a outras pessoas necessitadas, com as possibilidades que lhes são próprias, cultivando o recurso fundamental, ao alcance de todos: boa vontade.

Expandindo-se sempre, esta Corrente da Felicidade apressaria a instalação do Reino de Deus na Terra, cuja pedra fundamental foi lançada por Jesus, quando ensinou, no capítulo sétimo das anotações de Mateus:

Tudo o que quiserdes que os homens vos façam, fazei-o assim também a eles.

Richard Simonetti